Sabia que a polpa dentária contém células-tronco que podem ser preservadas para o futuro do seu filho?

Sabia que a polpa dentária contém células-tronco que podem ser preservadas para o futuro do seu filho?

Descobrindo o tesouro escondido

O dente de leite guarda um tesouro precioso, capaz de beneficiar a saúde de seu filho durante toda a vida: células-tronco capazes de se transformarem, em condições adequadas, em diversas outras células do corpo: músculos, ossos, pele e muitas outras partes do corpo.

Quanto mais jovem a célula, mais forte ela é!

Assim, o tratamento e até mesmo a cura de doenças que hoje são consideradas incuráveis tornou-se algo mais próximo e palpável. E isso engloba desde condições mais simples, como queimaduras e fracturas, até Diabetes e Alzheimer, por exemplo.

Mas vamos explicar do princípio!

A polpa dentária contém células que são totalmente compatíveis com o próprio, existindo ainda uma compatibilidade significativa com outros familiares directos.

As células estaminais hematopoiéticas (extraídas do sangue do cordão umbilical) são utilizadas no tratamento de doenças como a leucemia, doenças auto-imunes e em alguns tipos de cancro. As células mesenquimais (extraídas do tecido do cordão umbilical) tal como as células da polpa dentária desempenham um papel importante no tratamento de doenças como enfarte do miocárdio, distrofia muscular, doenças neuro-degenerativas e na regeneração óssea, reparação muscular e neuronal.

As células-tronco são capazes de se multiplicar e se transformar em diversos outros tipos de células, e cumprir as mesmas funções delas.

Essa descoberta transformou completamente a medicina e trouxe grandes esperanças de um futuro surpreendente a favor das novas gerações. Todos os dias, estudos revelam novas possibilidades incríveis sobre o uso de células-tronco, e resultados promissores para os avanços da medicina.

Quem pode fazer tratamento com células-tronco?

Quando uma célula-tronco é armazenada é com o intuito de usá-la futuramente em alguém. Mas os benefícios que se podem vir a retirar variam conforme o tipo de células:

Células-tronco mesenquimais (as da polpa e as do tecido do cordão)

neste caso, os estudos actuais são feitos usando células-tronco do próprio paciente. As taxas de compatibilidade costumam ser mais altas entre parentes de primeiro grau 25% entre irmãos e 10% entre pai e filho.

Células-Tronco hematopoiéticas (as do sangue do cordão e da medula óssea)

estas células normalmente não são utilizadas no próprio doador. Isto porque algumas doenças, como a leucemia, ocorrem devido a problemas genéticos, que certamente estarão presentes nas células do cordão da pessoa doente. Nesses casos, é mais seguro utilizar a célula-tronco hematopoiética de um doador saudável.

Como é feita a colheita do dente?

O momento de perda dos dentes de leite é uma das etapas marcantes da infância de muitas crianças. Por isso, muitos pais têm optado por fazer a extracção com dentistas, evitando possíveis incómodos.

Por serem tão especiais, as células-tronco não podem ser aproveitadas de um dente de leite que já caiu. Quando o dente cai, entra em contato com bactérias e deixa de receber sangue, o que pode causar a morte das células se não for armazenado da forma correta.

Para que isso não aconteça, é preciso fazer a extração do dente de leite com um dentista credenciado e especialista nesse tipo de extracção, garantindo que as células-tronco se mantenham intactas, prontas para serem multiplicadas e armazenadas. Para poder ser utilizado, o dente de leite deve possuir um terço de raiz.

O procedimento é muito rápido e minimamente invasivo. Por isso, não precisa de cortes nem pontos, sendo extremamente seguro.

Apenas um dente de leite já é suficiente para que se obtenha material em quantidade e qualidade para o armazenamento.
Após a extração, o dente de leite é encaminhado ao laboratório, as células-tronco da polpa do dente de leite são extraídas e multiplicadas, além de passarem por diversos testes que comprovem sua qualidade e aplicabilidade.

Atestado seu potencial, armazenam-se essas células-tronco num tanque de nitrogênio, onde serão preservadas pelo tempo que for necessário. Após o período de expansão e testes de qualidade, receberá um certificado de criopreservação das células-tronco.

Venha visitar-nos para esclarecer todas as dúvidas!

Gostou do que leu? Então, partilhe!

Deixe um comentário

pt Portuguese
X